segunda-feira, 23 de março de 2015

Resenha #86 Divergente (Trilogia Divergente #1)


Título: Divergente
Autor: Veronica Roth
Páginas: 502
Gênero: Distopia
Editora: Rocco
Classificação: 5 estrelas
Sinopse: "Numa Chicago futurista, a sociedade se divide em cinco facções Abnegação, Amizade, Audácia, Franqueza e Erudição e não pertencer a nenhuma facção é como ser invisível. Beatrice cresceu na Abnegação, mas o teste de aptidão por que passam todos os jovens aos 16 anos, numa grande cerimônia de iniciação que determina a que grupo querem se unir para passar o resto de suas vidas, revela que ela é, na verdade, uma divergente, não respondendo às simulações conforme o previsto.

A jovem deve então decidir entre ficar com sua família ou ser quem ela realmente é.

E acaba fazendo uma escolha que surpreende a todos, inclusive a ela mesma, e que terá desdobramentos sobre sua vida, seu coração e até mesmo sobre a sociedade supostamente ideal em que vive."


Divergente é sem dúvida uma das minhas distopias favoritas.Desde a primeira vez que li esse livro fiquei encantada com a sociedade que a Verônica Roth criou, os valores dos personagens, as regras e ideais de cada facção... tudo isso me fascinou e virei fã obviamente!

No primeiro livro da trilogia, nós somos apresentados a uma nova sociedade criada dentro da cidade de Chicago, ela é organizada em cinco facções: Amizade, Abnegação, Erudição, Franqueza e Audácia. Cada facção vive de acordo com regras bem específicas que os distinguem uns dos outros, o modo de vestir, falar, se comportar e etc definem a facção a qual cada pessoa pertence.

“Os costumes das facções ditam até como devemos nos comportar nos momentos de inatividade e estão acima das preferências individuais.”




Roupas de cada facção: Erudição, Audácia, Abnegação, Franqueza e Amizade


Quando os adolescentes completam 16 anos eles devem escolher se permanecem na facção onde nasceram ou mudam para uma nova facção para viver sob novas regras. É nesse momento de escolha que se encontra Beatrice (Tris) Prior, nossa protagonista nasceu na abnegação, porém é atraída pelo modo de vida da Audácia, e no dia da cerimônia de escolha ela deve escolher como viverá daquele dia em diante.

A facção que ela escolhe... bem, vocês precisam ler para descobrir! rsrs

“A razão humana é capaz de justificar qualquer mal; é por isso que não devemos depender dela.”

“Nós acreditamos nos atos simples de bravura, na coragem que leva uma pessoa a se levantar em defesa da outra.”

A Tris é uma personagem que eu admiro muito! Ela é mais forte do que o seu físico demonstra e as decisões que ela toma são na maioria das vezes geniais! Eu posso afirmar que ela está no topo das minhas personagens femininas favoritas. É decidida, às vezes um pouco insegura, mas não tem medo de tomar decisões difíceis e fazer o que é certo.

“Seja corajosa Tris.”

“Porque o medo não faz com que você se apague; ele faz com que você acenda. Já vi isso acontecendo com você. É fascinante.”

O livro é recheado de desafios e Tris vai enfrentando cada um com bastante garra... mas também não poderia falta um romance nessa história né! Sobre o Quatro só posso dizer:



Outro personagem que eu amo nesse livro é a mãe da Tris, por causa dela nós entendemos algumas das decisões admiráveis da filha. Com o desenrolar dos eventos a Natalie me deixou chocada! Mas não falarei sobre isso pra não correr riscos de spoilar algum detalhe aqui.

Não sei se preciso dizer mais alguma coisa para convencê-los a ler esse livro. É genial, escrito por uma jovem mulher, com vários ideais incríveis e se você ama quotes... Bom, eis como meu livro ficou após a leitura.



Leiam, é certeza de que vão se apaixonar por essa história incrível!

Em breve eu volto com a resenha de Insurgente – segundo livro da trilogia. Aproveite e confira o nosso especial sobre Divergente aqui.

xoxo