quinta-feira, 8 de janeiro de 2015

Resenha #71 Todo Dia

Título: Todo Dia
Autor: David Levithan
Editora: Galera Record
Páginas: 280
Classificação: 5 estrelas


Sinopse: Neste novo romance, David Levithan leva a criatividade a outro patamar. Seu protagonista, A, acorda todo dia em um corpo diferente. Não importa o lugar, o gênero ou a personalidade, A precisa se adaptar ao novo corpo, mesmo que só por um dia. Depois de 16 anos vivendo assim, A já aprendeu a seguir as próprias regras: nunca interferir, nem se envolver. Até que uma manhã acorda no corpo de Justin e conhece sua namorada, Rhiannon. A partir desse momento, todas as suas prioridades mudam, e, conforme se envolvem mais, lutando para se reencontrar a cada 24 horas, A e Rhiannon precisam questionar tudo em nome do amor.

"Todo dia um corpo diferente.
Todo dia uma vida diferente.
Cada dia amando a mesma garota."

Sabe aquele livro que você acaba de ler e percebe que:
1) Não estava preparado psicologicamente para dizer adeus?
2) Na verdade, o livro acabou de ler sua vida e não o contrário?

Foi exatamente assim minha experiência com a obra de David Levithan. Este foi o primeiro livro que li do autor e posso dizer que ele ganhou uma fã de carteirinha.

Adorei o modo como o autor transformou os capítulos em uma espécie de diário do protagonista, pois desse modo, acredito que o leitor tem a possibilidade de se envolver mais com o dilema que é a vida de A.


Outra coisa que realmente me cativou foi a forma como A foi desenvolvido. Nunca, em toda minha vida de leitora, encontrei um personagem com uma alma tão pura como este. O jeito como A passa pelas experiências do primeiro amor é emocionante. E devo confessar que me identifiquei em cada palavra. O fato é que estou apaixonada e será um prazer enorme, embora difícil, falar sobre o que este livro provocou dentro de mim, durante a leitura do mesmo.

David nos apresenta A, um adolescente que desde o nascimento vive cada dia em um corpo diferente. COMO ASSIM? Bom, nem ele sabe! Mas ele cansou de questionar o porquê e se revoltar com sua situação e resolveu aceitar, embora sem concordar. E você vai vivendo um dia após o outro junto com ele e vendo sua decisão em apenas passar pela vida de seus hospedeiros e não interferir em nada. 
É o plano perfeito e, tudo vai bem, até que ele acorda no corpo de Justin e bem, seu mundo vira de cabeça para baixo. Veja bem, Justin tem uma namorada chamada Rhiannon, que o considera o centro do universo e A, mesmo lutando contra isso, não consegue deixar de querer tornar a vida dessa menina melhor. Ele sente uma vontade incontrolável de mostra-la o quanto ela é importante e o quanto ela merece ser amada e ter alguém ao seu lado que reconheça seu valor. A regra é cada dia um corpo novo, certo? Ele sabe que não poderá vê-la outra vez, mas é aí que ele toma uma decisão que mudará a vida de muitas pessoas, não só a dele.

Sim, meus amigos, A se apaixonou completamente por essa menina e está disposta a pagar o preço para estar ao lado dela. Mas será que ela sente o mesmo? Como ela poderá estar com ele, se ele é uma pessoa diferente todos os dias? Será que saber que o seu interior será sempre o mesmo é o suficiente para Rhiannon?

A coisa mais sensacional desse livro é exatamente o modo como o autor explora essas questões. E, pode até ser uma coisa adolescente, esse sentimento de “não pertencer”, mas acredito que mesmo sendo adultos, passamos por isso em determinadas situações.

E o fim é surpreendente. Não vou contar, pois sou contra spoilers, mas posso dizer que você irá se emocionar. Se o fim é bom? Se eles ficam juntos ou separados? Bom, COMECE A LER O LIVRO AGORA e descubra por si mesmo. Este é um livro que vale cada centavo gasto e cada segundo que você irá passar com ele.

Aviso: Providencie uma caixinha de lenços, pois este livro promete fortes emoções.

MAS É CLARO que eu preparei uma playlist para esse livro né? É uma playlist curtinha, mas traduz exatamente o que livro é (na minha humilde opinião). 

As músicas são:

1) Iris, Goo Goo Dolls - Vou deixar o próprio refrão explicar. Imagino o A pensando exatamente essas palavras: “And I don’t want the world to see me ‘cause I don’t think that they’d understand. When everything’s meant to be broken I just want you to know who I am.” (E não quero que o mundo me veja, pois não acho que eles entenderiam. Quando o destino de tudo é ser destruído, eu só quero que você saiba quem eu sou.)


2) Wish You Were Here, Avril Lavigne


3) Goodbye, Avril Lavigne