quarta-feira, 10 de setembro de 2014

Resenha #55 Se Eu Ficar

Título: Se Eu Ficar
Autor: Gayle Forman
Editora: Novo Conceito
Páginas: 224
Classificação: 4/5 estrelas

Sinopse: Depois do acidente, ela ainda consegue ouvir a música. Ela vê o seu corpo sendo tirado dos destroços do carro de seus pais – mas não sente nada. Tudo o que ela pode fazer é assistir ao esforço dos médicos para salvar sua vida, enquanto seus amigos e parentes aguardam na sala de espera... e o seu amor luta para ficar perto dela. Pelas próximas 24 horas, Mia precisa compreender o que aconteceu antes do acidente – e também o que aconteceu depois. Ela sabe que precisa fazer a escolha mais difícil de todas.

“Percebo agora que morrer é fácil.
Viver é que é difícil.”

Mia Hall vivia uma vida que muitos considerariam perfeita. Sua família era carinhosa e amorosa e, sem dúvida, muito unida. O tipo de família que apoia suas decisões e escolhas, não importa o quanto elas sejam esquisitas. Ela também tinha uma melhor amiga, que embora fosse completamente diferente, a entendia melhor do ela própria. E embora sua vida fosse boa, e ela estivesse satisfeita com ela, Adam cruza seu caminho. Adam é uma estrela do rock, que embora seja conhecido apenas em sua cidade, não deixa de o ser. É o tipo de cara que é descolado sem se esforçar para ser. O tipo que, por ter uma banda, é o delírio de várias meninas.


É, você pode até pensar que duas pessoas como Adam e Mia não ficariam juntos, mas a vida nos prega peças, e um dia, aquilo que era a paixão dos dois, tratou de uni-los. A música sempre foi algo mais na vida desses dois, embora os gostos sejam completamente opostos. Mia é uma violoncelista apaixonada por música clássica, e Adam é guitarrista e vocalista de uma banda de rock. Uma coisa que adorei, foram os desenhos delicados de notas musicais nas folhas. Isso faz com que entremos no clima do livro um pouco mais fácil.

Se Eu Ficar é uma lição de vida, uma história que te leva a colocar os mais simples momentos em perspectiva. Embora tenha achado o livro um pouco parado (em relação ao filme), não posso dizer que não tenho um carinho pela história.

Mia, após perder tudo que considerava mais importante em sua vida, tem 24 horas para fazer uma escolha muito difícil. Será que ela aguentaria viver sem sua família, mesmo tendo o amor de Adam e seus amigos? Será que seria melhor se deixar levar e acabar com o sofrimento?

O livro narra essas 24 horas do coma de Mia, apresentando seu ponto de vista ora no presente, ora no passado, onde ela relembra alguns momentos específicos, que podem ajuda-la a fazer a escolha certa.

Uma cena, em especial, se tornou minha favorita tanto no livro como no filme. A cena do Dia do Trabalho, onde a Mia percebe que o violoncelo não precisa ser um instrumento puramente solo. É muito linda mesmo.

Como disse no post do filme, o ponto alto da história, para mim, é a música. Apesar de no livro não podermos desfrutar dela como no filme, por razões óbvias. E isso foi o que fez o filme ser melhor aos meus olhos.

Isso é tudo que vou dizer sobre a história, pois acredito ser um livro que deve ser lido sem nenhum tipo de spoiler, para que vocês possam sentir a história e apreciá-la do jeito que ela merece.
O livro é muito lindo, tem uma diagramação muito delicada. A capa, apesar de ser do filme e eu não curtir muito isso, é muito linda. Acho que é a primeira capa de livro, com a versão do filme, que posso dizer que amei. Parabéns, Novo Conceito!

Enfim, é uma história que vale muito a pena ser lida e assistida. Então garanta já o seu exemplar e vá até o cinema conferir a adaptação. Você não vai se arrepender.