sábado, 30 de janeiro de 2016

Resenha #132 Caixa de Pássaros

Título: Caixa de Pássaros
Autor: Josh Malerman
Editora: Intrínseca
Páginas: 272
Gênero: Suspense, Terror
Classificação: 5 estrelas


Sinopse: Romance de estreia de Josh Malerman, Caixa de pássaros é um thriller psicológico tenso e aterrorizante, que explora a essência do medo. Uma história que vai deixar o leitor completamente sem fôlego mesmo depois de terminar de ler.
Basta uma olhadela para desencadear um impulso violento e incontrolável que acabará em suicídio. Ninguém é imune e ninguém sabe o que provoca essa reação nas pessoas. Cinco anos depois do surto ter começado, restaram poucos sobreviventes, entre eles Malorie e dois filhos pequenos. Ela sonha em fugir para um local onde a família possa ficar em segurança, mas a viagem que tem pela frente é assustadora: uma decisão errada e eles morrerão.

Antes de começarmos, eu te convido a apertar o play e embarcar comigo nessa viagem louca.



“Melhor enfrentar a loucura com um plano do que ficar parado
e deixar que ela nos alcance aos poucos.”

Tenso, meus amigos, tenso. Usando as palavras do próprio autor: “Era puro suspense, horrível”. Em Caixa de Pássaros, você dá de cara com uma sociedade completamente imersa na loucura. E se um dia você não pudesse mais confiar em seus olhos? Esse é o mundo em que Malorie e seus dois filhos vivem.


Cinco anos atrás, um surto faz com que as pessoas comecem a se matar sem nenhuma justificação aparente. O problema não está no que elas fazem ou sentem, mas sim no que elas podem ver. Mas enquanto os surtos estão longe, Malorie continua cética, acreditando que isso jamais chegaria até ela... até que chega, e sua própria irmã é acometida pelo tal surto; o que quer que ela tenha visto fez com que ela tirasse sua própria vida de forma cruel.

“Alguma coisa viva está fazendo isso com a gente.
E basta vê-la por um segundo, talvez menos que isso.”

É aí que Malorie abandona sua casa, grávida, e responde ao anúncio de jornal que indicava uma casa com as portas abertas para sobreviventes, um lugar seguro para viver em um mundo insano. A ordem era não olhar para fora: tranque suas portas, cubra suas janelas, não saia de casa, e nunca, em hipótese alguma, abra seus olhos.

Então Malorie chega até essa casa, após uma viagem maluca com os olhos meio abertos, meio fechados, com medo do que quer que poderia aparecer em seu caminho. Mas o que estaria causando tudo isso? Seria um demônio? Um vampiro? Um animal? Uma doença? Um vírus? Um espírito maligno?

“Seja lá o que for [...], nossas mentes não conseguem entender.
Pelo que parece as criaturas são como o infinito.
Algo complexo demais para nossa cabeça.”

A história é contada, alternadamente, entre o presente e o passado. No presente, Malorie está atravessando o rio perto de sua casa, vendada, com duas crianças. Ela encara vários perigos, além das criaturas, ou o que quer que elas sejam. No passado, vemos a convivência dentro da casa e a luta para sobreviverem.

Josh Malerman conseguiu criar algo muito original, arrepiante e magnífico. Sim, este é um dos melhores livros que já li em toda a minha vida. O fato de a história ser contada por uma pessoa vendada torna tudo ainda mais emocionante. Isso dá ao leitor a sensação de não só estar imerso na história, mas de ser o próprio personagem. As emoções de Malorie passaram a ser as minhas próprias; era como se eu também não pudesse confiar mais em minha visão.

Uma coisa eu preciso avisar aqui, E PODE SER CONSIDERADO UM SPOILER, então se você não quiser saber, tudo bem. PARE DE LER AGORA MESMO e pule para o último parágrafo desta resenha.

Não seria justo deixar de falar que este é um livro que não responde todas as suas perguntas, e isso é feito de forma proposital pelo autor. A história não é sobre as criaturas, mas sim sobre a sobrevivência de Malorie e seus filhos. Então, você, constantemente, se encontrará com milhões de perguntas e nenhuma resposta. É meio frustrante, mas genial. Bem humano, se pararmos para analisar. Nem tudo nessa vida tem um porquê, nem todas as respostas nos são dada. Apenas sobrevivemos.

Enfim, meu conselho é: LEIAM! Este é um livro sensacional. Vocês não irão se arrepender.

“Ela imagina a casa como se fosse uma grande caixa. Quer sair daquela caixa. Tom Jules, mesmo do lado de fora, ainda estão naquela caixa. O planeta inteiro está trancado nela. O mundo está confinado à mesma caixa de papelão que abriga os pássaros do lado de fora. Malorie entende que Tom está procurando uma maneira de abrir a tampa. Busca uma saída. Mas ela se pergunta se não há outra tampa acima daquela, e depois mais uma.
Encaixotados, pensa. Para sempre.”